Seguidores

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Lembranças

Hoje senti uma saudade enorme dos lugares por onde passei.
O pensamento vai e vem, volta com força avassaladora e agarra-me com as unhas do passado, leva-me como a correnteza do rio, vou de um estado a outro.

Vou deslizando rio abaixo sobre seu leito pontilhado de pedras, um remanso mais agitado pelo vento parece conspirar sobre o meu saudoso itinerário, deixo-me conduzir pela correnteza, desvio obstáculos e me agarro nos braços dos barrancos que chamo de amigos, aqueles accessíveis amigos que tantas vezes dividiram comigo a sua luz.

Quão gratificante foi passear pelas nítidas lembranças que involuntariamente crepitam em minha memória. Cintila em meus olhos um clarão, nitidamente visualizo meus amigos, abraço-os num gesto de gratidão!

Diná Fernandes

sábado, 6 de outubro de 2018

Alma Nômade

Minh’ alma é nômade,
por isso, mutável e viajora.
Nem sei por que não me batizaram
de quatro estações.
Meu coração vive em festa.
Não há espaço para cultuar
desventuras.

Jamais perco a fé
no Altíssimo, o alicerce
que segura minha estrutura.

Seja noite seja dia,
estou pronta para desbravar
as estradas da vida,
suas curvas e retas.

Há um foco de Luz
margeando minha estrada,
indicando o perigo a ser evitado.
Nômade vagueia mas não perde o rumo.
Eu sou toda liberdade!

Diná Fernandes

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

BOM DIA!


Bom dia amigos (as) estou em Cabedelo até 05/10, lançamento
do livro da amiga Roseleide Farias  dia 15 às 19:30 n  FORTALEZA
SANTA CATARINA. 
Logo que retornar agradecerei as lindas visitas.
Bjss!





segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Amor mecânico


Que evolução estranha essa do amor, 
Jeito mais grotesco de se dar, sentimento ausente, 
Só vale o momento, não tem mãos suadas 
Nem coração descompassado. 

É tudo mecânico como uma máquina 
Abraçou, beijou, ficou e tchau! 
Por onde andam os sonhos
 e os suspiros do primeiro despertar? 
O amor está em desuso, 
Companheirismo parece coisa do passado, 
A individualidade e intolerância comandam o ser humano.

Foram-se os tempos dourados, 
Namoro no portão, passeio de mãos dadas
O anseio do beijo roubado
Enfim, todo o romantismo engolido pela evolução do tempo.


Diná Fernandes

sábado, 8 de setembro de 2018

& Poetizando e Encantando nº 52 &

Mais uma participação no Poetizando com a Lourdes Duarte


http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com

Vejo o majestoso mar azul,
 um céu bordado de brancas nuvens,
o dia ensolarado me convida  a velejar.

Enquanto espero o barco chegar
Ergo meus braços e agradeço pela imensidão
Mais bela e natural que há na terra.

Ondas mansas e murmurantes,
Vento macio a comandar
Seus movimentos constantes.
No quesito beleza, o mar é campeão!

A onda é uma poesia
Sua música é verso líquido
Ninando as águas homicidas.

Diná Fernandes


quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Sem passado



Quem viveu desprovido de sonhos,
sem amor e histórias pra contar,
como folhas mortas sem nenhum vigor,
não conheceu o reverso da vida.

Sem passado, sem cacos pra juntar,
Não amou, não foi amado.
Nada da vida soube aproveitar

Por não conhecer a ousadia de ganhar ou perder,
viveu como uma fração do nada,
no seu desconhecido mundo.
cultuando uma vida vazia!

Diná Fernandes

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Aquiescência-Poetizando e Encantado-edição 51ª

Bom dia a todos!
Em primeiro lugar peço desculpa pela ausência, a amiga coluna
anda a me incomodar e me deixou  em repouso.
Comunico: A partir de agora a BC da mestra Lourdes passará a ser postada neste blog.



http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br

Olho em frente e a minha saudade
É contínua, é aspiração incessante
É a afirmação da doce sublimidade
É a certeza plena do amor vibrante
                                                
A onda que bate forte no rochedo
É a mesma que açoita a saudade
Abro minha janela, peço piedade
Ao Deus Netuno por tal degredo!

Que cavalgue as ondas do imenso mar
E que por baixo dessas águas abissais
Que os meus sonhos puderam soterrar
E que deixara em mim dores cruciais

Que  resgate em vespertina manhã
Meu saudoso amor e soterre a ausência
E que ao longe meu olhar pleno de afã
Possa alegremente ter a aquiescência.

Diná Fernandes


sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Na calada da noite


Na calada da noite,

Quando fecho minha porta
Um pensamento me escolta
Tudo em mim se transforma
É a hora d’alguma reforma...

O ego se vira e revira
Idéias logo se agigantam
Enquanto a noite se estira
Os detalhes se adéquam

Num dialogar persistente
Que me faz acreditar
Que a força da mente
Tudo pode modificar

E assim, na calada da noite
Eu consigo espantar
Os insolentes açoites
E a minha vida transformar

E quando o novo dia nascer
Trazendo as boas energias
Ao Pai preciso agradecer.
A dádiva da vida por mais um dia!

Diná Fernandes



terça-feira, 14 de agosto de 2018

Dama Perfeita- Dueto

Lendo os comentários dos amigos, resolvi ativar o blog. 
Nada como um pedido dos seguidores, é realmente issresistível!
Agradeço o carinho das amáveis palavras deixadas aqui :  Carmem, Pedro Luso, Chica e Cidália!


Minha insanidade não tem limites.
Ora doida, noutra apaixonada,
Às vezes um tanto enfezada,
capaz de afetar a tua essência
so pra te ver surfar nas minhas ondas.
Basta que me enlaces
para que eu destile meu doce veneno
no céu da tua boca.
Sou assim, uma mistura
Sem complexo,
Não conheço Édipo!
Sou dama perfeita, na sala!

E a mulher sonhada no amor
pois meu limite se altera
quando voce me aperta
quero voce na minha vida
a possuir meu querer
pois minha alma é dividida
entre te amar e te ter,
desejo o teu desejo
sou mulher de entregas e beijos
e sendo dama na sala
em seu corpo sou vadia
a brilhar em nossa cama
em saber que tu me amas

Diná Fernandes & Nice Canini